Turismo

Passeios

História

Cultura

Capoeira

Religião

Culinária

Música

Investir

Home

Sair

 

 

FESTAS POPULARES

Em quase todas as cidades são organizadas quermesses em comemoração ao(à) padroeiro(a) da cidade e também para arrecadar fundos para a igreja. Durante estas quermesses, são armadas barracas na praça, perto da igreja, onde são vendidas comidas e bebidas típicas da região. É organizada uma procissão com louvores ao(à) padroeiro(a) e tem sempre uma banda musical tocando. Em algumas cidades essas quermesses transformaram-se em grandes festas populares.

Salvador é talvez a cidade que tem a maior quantidade de igrejas no mundo e, por isso, é também a cidade que tem a maior quantidade de festas populares que começam em dezembro.

  • No dia 08 de dezembro tem a festa de Nossa Senhora da Conceição da Praia, padroeira da Bahia, localizada na cidade baixa no bairro do Comércio.
  • No dia 1 de janeiro temos a procissão marítima de Nosso Senhor Bom Jesus dos Navegantes, onde centenas de embarcações de todos os tipos cruzam a Baia de Todos os Santos levando a imagem sacra da igreja da Conceição da Praia até a capela da Boa Viagem.
  • Dia 06 de janeiro acontece a "festa de reis" na Lapinha, um dos bairros mais antigos de Salvador. No reisado, como é chamado a apresentação de ternos e ranchos, os participantes costumam usar roupas de tecidos coloridos e brilhantes. O rancho é um grupo mais brincalhão e liberal, enquanto o terno, mais sério, é composto por pastores e pastoras que se apresentam com alegorias que simbolizam os personagem do Natal.
  • Na segunda quinta-feira de janeiro é a vez de homenagear o Senhor do Bonfim, Jesus para a igreja católica ou Oxalá para o candomblé, numa grande procissão chamada de "lavagem de Bonfim" que vai da igreja da Conceição da Praia, no bairro do Comércio, até a igreja de Nosso Senhor do Bonfim, na península de Itapagipe. Mulheres, vestidas de baianas e carregando vasos com flores e água de cheiro formam a parte principal do cortejo. Elas são acompanhadas por cavaleiros e carroças enfeitados e uma multidão de pessoas de todas as idades e nacionalidades, quase todas vestidas de branco. Ao chegar à colina sagrada, onde está erguida a igreja de Nosso Senhor do Bonfim, as baianas derramam a água de cheiro no adro da igreja e na cabeça dos fieis e lavam a escadaria da igreja num ritual de fé e esperança.

  • No dia 2 de fevereiro os adeptos do candomblé homenageiam Yemanjá, a rainha do mar, aproveitando o momento para deixar oferendas e fazer pedidos. A festa acontece no bairro do Rio Vermelho perto do cais de onde saem os barcos com as oferendas para a rainha.
  • E como se não bastasse, depois de tudo isso vem a festa principal, o grande clímax que é o carnaval, um delírio, a maior festa popular do mundo. Ela tem duração oficial de 5 dias e atrai multidões vindo do Brasil e do mundo inteiro. Os participantes, chamados de foliões pulam atrás dos trio-elétricos e dos blocos afros e afoxés "de pipoca" - ou seja, livres e soltos - ou nos grupos carnavalescos organizados. Hoje, há três circuitos - ou percursos delineados na cidade - para se apreciar o carnaval: o circuito tradicional do Campo Grande à Praça Castro Alves (ida e volta), o circuito alternativo da Barra à Ondina e o circuito nostálgico no Centro Histórico. Juntando tudo isso, são mais de 20 quilômetros de festa, folia e muita adrenalina!

Alem das festas citadas, é muito fácil encontrar festas populares em vários bairros de Salvador no período do verão. Todas essas festas são cheias de ritmos e musicalidade e contam com as famosas "barracas" de festa de largo que oferecem tira-gostos e bebidas e onde a cerveja não pode faltar!

Outras festas muito importantes na Bahia - e em todo o Nordeste - são as Festas Juninas comemoradas no mês de junho. Esta época de festas começa com a celebração em homenagem ao Santo Antônio em 13 de junho, culmina com a festa em homenagem ao São João em 24 de junho e termina com a festa em homenagem ao São Pedro em 29 de junho. A tradição destas festas foi trazida pelos Portugueses onde eram celebradas no início do verão, véspera do início das colheitas. Por isso, estas festas são caracterizadas pela abundância de comidas e bebidas típicas, de um lado, e pela música e pelas danças de outro. Entre as muitas comidas típicas, apreciadas pelos fanáticos do "São João", as mais famosas são : o milho cozido ou assado na brasa das onipresentes fogueiras, amendoim cozido, laranjas, bolo de aipim, canjica e mugunzá. Nas bebidas a preferência é para os licores de diversos sabores como, entre outros, genipapo, passas e maracujá. A outra característica inconfundível destas festas é a combinação da música, chamada de Forró, com ritmo e instrumentos típicos e a dança, com estilo próprio, que a acompanha e que pode ser praticada em "casal" ou em "quadrilha". Uma das explicações pela origem da palavra Forró é que vem do Inglês "for all", indicando o tipo de baile organizado na época ao qual "todo mundo" tinha acesso. Do outro lado, a dança em quadrilha é uma herança do folclore francês acrescida de manifestações típicas da cultura portuguesa, inspirada na contradança.

Estas festas são mais originais e efervescentes nas cidades do interior do estado como, na Bahia, em Cachoeira, Cruz das Almas, Amargosa e Senhor do Bonfim, entre tantas outras. Outros estados Nordestinos com forte tradição de festas juninas são o Pernambuco, onde a cidade de Caruaru leva a fama do "o maior São João do Brasil", e a Paraíba com a cidade de Campina Grande.